28 a 01 de fevereiro de 2008

Comércio Exterior

Resultados
Importação acelerada em janeiro
Importações e remessas ampliam o déficit da conta corrente neste mês
Consumo de álcool cresce e sobra mais gasolina para exportação
Importações crescem quatro vezes mais que as exportações

Agronegócio

UE recusa lista de 2,6 mil fazendas e suspende compra de carne do Brasil
Restrições provocam baixa das ações dos frigoríficos exportadores do país
Milho sobe alheio à turbulência externa

Mercosul

Camex retira sobretaxa de resina PET argentina

Organização Mundial do Comércio (OMC)

Perda com embargo pode chegar a US$ 180 milhões

Plano Internacional

Crise dos EUA acirra negociação do minério de ferro
Davos - Fórum termina em um clima sombrio




Comércio Exterior

a) Resultados

A balança comercial apresentou um saldo de US$ 352 milhões na quarta semana de janeiro (dias 21 a 27 do mês). O resultado é a diferença entre as exportações de US$ 3,284 bilhões e as importações de US$ 2,932 bilhões. Os dados foram divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

No ano, o superávit comercial está em US$ 748 milhões, uma queda de 70,28% em relação ao registrado no mesmo período do ano passado. Esse recuo deve-se, principalmente, ao aumento das importações.

As compras de produtos importados somam nas quatro primeiras semanas do ano US$ 10,110 bilhões, o que dá uma média diária - movimento por dia útil - de US$ 561,7 milhões, valor 45,9% maior que a média de janeiro de 2007.

Já as exportações totalizam US$ 10,858 bilhões, com uma média de US$ 603,2 milhões, um crescimento de 20,8% na comparação com o mesmo mês do ano passado.

A meta do Ministério do Desenvolvimento é exportar neste ano US$ 172 bilhões. No ano passado, US$ 160,649 bilhões de produtos brasileiros foram vendidos para o exterior. Não há uma meta de importações ou de saldo da balança comercial.

O mercado financeiro, por sua vez, segundo o boletim Focus, espera um superávit de US$ 30 bilhões em 2008. No ano passado o superávit foi de US$ 40,039 bilhões.

b) Importação acelerada em janeiro

Nas quatro semanas deste mês, as importações aceleraram duas vezes mais que as exportações, em sintonia com a tendência verificada desde meados de 2007. Ainda assim, o período manteve um saldo comercial positivo de US$ 748 milhões, resultado de US$ 10,858 bilhões em exportações e de importações de US$ 10,110 bilhões, conforme dados divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Os dados indicam que será pouco provável que a balança comercial de janeiro repita o superávit de igual período de 2007, de US$ 2,517 bilhões.

A média diária de exportações chegou a US$ 603,2 milhões, 20,8% maior ante janeiro de 2007, e a média diária de importações, de US$ 561,7 milhões, cresceu 45,9%, na mesma comparação. O desempenho refletiu a variação positiva nas importações de 20 dos 23 principais capítulos da pauta de importação. Dos dez mais importantes produtos importados, três tiveram alta superior a 100%: veículos, fertilizantes e cereais para moagem.

c) Importações e remessas ampliam o déficit da conta corrente neste mês

As contas correntes registram déficit de US$ 2,8 bilhões em janeiro, segundo dados parciais do mês divulgados pelo Banco Central, que cobrem até o dia 28. Caso o número se mantenha nesse patamar até o fim do mês, será o maior déficit em conta corrente desde dezembro de 2000. Os analistas econômicos já esperavam que, com o maior aquecimento da economia e a valorização da taxa de câmbio, as contas correntes passariam a registrar saldos negativos em 2008. Mas os números divulgados ontem pelo BC mostram que essa virada poderá acontecer um pouco mais rápido que o esperado.

Em 2007, segundo dados divulgados ontem pelo BC, as contas correntes registraram saldo positivo de US$ 3,55 bilhões. Para este ano, as projeções do BC são um saldo negativo de US$ 3,5 bilhões, e o mercado financeiro espera déficit de US$ 6 bilhões.

O déficit em conta corrente tem pouca ou nenhuma relação com as turbulências que afetaram o mercado financeiro em janeiro, afirma o estrategista sênior para a América Latina do Banco WestLB, Roberto Padovani. "O déficit comercial está sendo um pouco maior do que o antecipado não porque as exportações vão mal, mas porque as importações estão surpreendendo", afirmou.

Ou seja: a crise internacional não afetou, até agora, os preços ou as quantidades dos produtos exportados pelo Brasil. Já a alta das importações é um sinal de que a demanda doméstica continua forte e que o câmbio segue valorizado - ou seja, a maior aversão internacional a risco não levou a uma saída de capitais do Brasil em volume suficiente para depreciar a moeda.

Outro item que pesou no déficit em conta corrente foram as remessas de lucros e dividendos, que somam US$ 2,170 bilhões em janeiro, até o dia 28. "As remessas de lucros e dividendos refletem um estoque maior de investimentos diretos, a apreciação do câmbio e a alta lucratividade das empresas", afirma o chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes. Ou seja: mais do que a crise, as remessas espelham o bom desempenho da economia doméstica.

As condições de financiamento do déficit em conta corrente, diz Lopes, continuam positivas, apesar da crise. Ele cita o ingresso de US$ 4 bilhões em investimentos diretos em janeiro, que, nas projeções do BC, deverão fechar em US$ 4,5 bilhões no mês. Os ingressos em janeiro, afirma, estão em linha com a projeção de US$ 28 bilhões em investimentos diretos em 2008. "Os investimentos diretos são guiados pelos fundamentos macroeconômicos, como estabilidade e perspectiva de crescimento, e são pouco influenciados pelas volatilidades do mercado financeiro", diz Lopes. Ele chama a atenção para o fato de que, em janeiro, os investimentos têm sido pulverizados. A maior operação, de US$ 728 milhões, foi a troca de ações entre a bolsa de Chicago e a BM&F. "O reto está disseminado por vários setores da economia", afirmou.

Outro fluxo de capital que tem se mantido estável, afirmou Lopes, são as captações de empresas privadas. As companhias estão rolando o equivalente a 281% dos papéis e empréstimos diretos vencidos no mês.

As saídas em janeiro, afirmou Lopes, se concentraram nas aplicações em Bolsa e nos capitais de curto prazo, sobre os quais ainda não há estatísticas disponíveis. Além dos efeitos da crise, o capital de curto prazo está saindo porque no ano passado o BC adotou medidas que restringem o risco cambial que os bancos podem assumir nessas operações.

O forte ingresso de investimentos diretos e as altas taxas de rolagem da dívida externa não estão impedindo, porém, que o mercado de câmbio registre déficit em janeiro. Até o dia 24, as saídas de dólares superaram as entradas em US$ 1,648 bilhão.

O déficit no mercado de câmbio no período foi suprido pelos bancos, que desovaram dólares que mantinham em carteira. No mês, a posição de câmbio do conjunto de instituições financeiras encolheu de US$ 7,332 bilhões para US$ 4,693 bilhões. Os bancos também venderam dólares para o BC. A partir dos dados divulgados ontem, estima-se que a autoridade monetária tenha comprado cerca de US$ 1 bilhão em seus leilões de câmbio.

d) Consumo de álcool cresce e sobra mais gasolina para exportação

O Brasil deve voltar a consumir mais álcool combustível do que gasolina a partir de 2012. O avanço do álcool nas bombas reflete as vendas expressivas de carros "flex" no país e a melhor relação de preços do combustível sobre a gasolina. A expectativa é que a gasolina excedente seja exportada. Para isso, a Petrobras já investe pesado na melhoria da qualidade desse combustível.

O consumo de álcool representa atualmente 43% do total do combustível usado pela frota de veículos do país, diz Plínio Nastari, presidente da consultoria sucroalcooleira Datagro. Para 2012, a estimativa é que ultrapasse 50%. "Em 1988, durante o programa Proálcool, o consumo de álcool chegou a 57% do total", afirma Nastari.

Para a Petrobras, o aumento do consumo do álcool combustível é totalmente factível, uma vez que as vendas de carros "flex fuel" cresceram entre 40% e 50% nos últimos três anos . "Mas a expansão do consumo do álcool vai depender dos preços [na paridade com a gasolina] e também da demanda por etanol no mercado externo", afirma fonte da estatal.

Com o avanço do consumo de álcool, a estatal projeta aumento das exportações de gasolina, segundo a mesma fonte. A companhia exporta de 250 milhões a 300 milhões de litros de gasolina por mês para países da América do Sul, América Central e África. Mas a Petrobras está de olho nos mercados dos países desenvolvidos. "A Petrobras está investindo para melhorar a qualidade da gasolina. Com isso, poderá exportar para outros mercados e a preços mais atraentes", afirma a fonte.

A estatal investe em unidades de hidrodessulfurização, que permitem reduzir o teor de enxofre da gasolina. O objetivo é passar das atuais mil partículas por milhão (PPM) para 50 PPM nos próximos dois anos. Esses aportes estão estimados em cerca de US$ 3 bilhões. "Com uma gasolina de melhor qualidade, o Brasil pode conseguir preços até 30% maiores com o produto exportado", afirma a fonte.

O cenário atual de preços favorece o mercado de álcool. Atualmente, as cotações do litro do álcool na maioria dos Estados do país estão abaixo de 70% do litro da gasolina nas bombas. Essa relação é levada em consideração para avaliar se vale a pena abastecer com álcool ou gasolina. Abaixo de 70% do litro da gasolina, o álcool sai em vantagem. A expectativa é que os preços do álcool continuem atraentes para os consumidores nos próximos anos, uma vez que a oferta do produto deve continuar crescendo por conta dos novos projetos de usinas no país.

Dados da Datagro consideram que o avanço do álcool combustível no mercado interno contribui indiretamente para os resultados da balança comercial. A receita com exportações de açúcar e álcool chegou a R$ 6,57 bilhões em 2007, queda de 15,4% sobre o ano anterior, de US$ 7,77 bilhões. O resultado reflete os menores preços da commodity no mercado internacional. Em volume, os embarques de açúcar somaram 19,36 milhões de toneladas em 2007, 2,6% acima de 2006. Os de álcool subiram 2,3%, para 3,51 bilhões de litros. A participação do setor sucroalcooleiro na balança comercial seria maior, se fosse considerado o total da gasolina substituída pelo álcool no mercado interno. "Será que o país seria auto-suficiente em gasolina, se não utilizasse álcool?", questiona Nastari.

Segundo a Datagro, o álcool combustível substitui volumes expressivos de gasolina automotiva. "Se o Brasil não consumisse álcool, não seria auto-suficiente em gasolina", disse Nastari. A consultoria calcula que o volume de gasolina substituída pelo álcool foi de 10,54 bilhões de litros, em 2006, e de 13,18 bilhões de litros em 2007, o que representa uma economia de US$ 6,94 bilhões.

e) Importações crescem quatro vezes mais que as exportações

A quantidade de mercadorias exportadas pelo Brasil cresceu 5,5% no ano passado em relação a 2006. No mesmo período, o volume importado subiu 22%, revelam dados da Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex). "O problema é a falta de dinamismo das exportações. É preocupante, porque a deterioração do saldo comercial será rápida com esse diferencial", diz Fernando Ribeiro, autor do estudo e economista da Funcex.

Enquanto o volume embarcado seguiu o ritmo do Produto Interno Bruto, as importações cresceram quatro vezes mais. As estimativas apontam alta de 5,5% do PIB no ano passado. Em 2006 comparado com 2005, o volume exportado teve um desempenho ainda pior (3,3%), mas as importações também cresceram menos (12%). Os economistas projetam saldo para a balança comercial entre US$ 20 bilhões e US$ 30 bilhões em 2008. "Se seguir nesse ritmo, poderemos ter déficit em 2010", alerta Ribeiro.

Os dados mais recentes são tão negativos que os economistas tratam como pontos fora da curva, mas recomendam cautela. Em dezembro de 2007, a quantidade exportada surpreendeu negativamente e caiu 0,3% em relação ao mesmo período do ano anterior. Nas primeiras quatro semanas de janeiro, o saldo da balança comercial em valores recuou 64% em relação a janeiro de 2007.

Em quantidade, o Brasil perdeu espaço no comércio mundial, já que os volumes comercializados no mundo aumentaram 7% no ano passado, segundo o Fundo Monetário Internacional. Em valores, a participação do país aumentou, por conta do desempenho dos preços. As importações mundiais cresceram 14,4% até novembro, enquanto as vendas brasileiras em valores subiram 16,6% em 2007, graças à alta de 10,5% nos preços.

Três fatores macroeconômicos contribuíram para os resultados de 2007. A valorização do real reduziu a competitividade dos produtos brasileiros no exterior e barateou o que vem de fora. O crescimento da demanda interna incentivou as importações e desestimulou as exportações. E a falta de capacidade instalada nas empresas impediu alguns setores de atender aos dois mercados.

A quantidade exportada de manufaturados aumentou 3,2% em 2007 em relação a 2006, um pouco acima dos 2,1% de 2006 comparado com 2005. Ribeiro diz que o aumento nas exportações de aviões justifica o desempenho um pouco melhor, mas ressalta que o volume de industrializados vendido pelo país está próximo do piso. Em compensação, os preços dos produtos manufaturados subiram 8,4%, depois de registrar alta de 12,3% em 2006 - percentuais significativos para esses produtos.

"Esses números mostram por que a exportação aguentou a valorização do câmbio. A variação dos preços compensou um pouco a rentabilidade que o câmbio tirou", diz Júlio Sérgio Gomes de Almeida, consultor do Instituto de Estudos do Desenvolvimento Industrial (Iedi) e ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda. Nos últimos dois anos, o real se valorizou 32% em relação ao dólar. "O quadro é grave. Com a desaceleração global e crise nos EUA, o espaço para reajuste de preços de manufaturados vai diminuir".

As estatísticas da Funcex demonstram que a dependência da balança comercial brasileira em relação às commodities cresceu. A quantidade exportada de produtos básicos subiu quase 12% em 2007, o dobro do ano anterior. Ao mesmo tempo, os preços avançaram 14,5% no ano passado, contra 9,4% em 2006. Com rentabilidade garantida pelas cotações, os agricultores plantaram mais e as mineradoras investiram. Além disso, boa parte da produção de commodities é obrigatoriamente direcionada à exportação, porque não é absorvida pelo mercado interno.

Essas mudanças na pauta de exportação brasileira deixam o país mais suscetível à variação do preço das commodities, ainda mais em temporada de crise nos Estados Unidos e temor de contaminação global. O que os economistas não sabem ainda é se isso é bom ou ruim. O consumo de commodities nos Estados Unidos é o maior do mundo, mas está estagnado. O aumento da demanda chinesa, portanto, é a principal fonte de alta do preço das commodities recentemente. Na China, a demanda por básicos pode ser duradoura, já que a construção da infra-estrutura do país demandará mais commodities metálicas, e a ida da população para as cidades, que aumenta a demanda por proteínas, está começando.

Nas importações, o aumento da quantidade foi superior à elevação de preços. O volume de bens de capital adquiridos no exterior avançou 32% em 2007 e os preços subiram apenas 2,9%. Os economistas comemoraram esse dado, porque reforça a pujança do investimento no país. O percentual é superior, inclusive, à alta de 24% de 2006. A quantidade importada de bens de intermediários cresceu 19,6%, em linha com a produção industrial.

Nas compras de bens de consumo no exterior, a influência do câmbio barato é mais perceptível. O volume importado de bens de consumo duráveis cresceu 50,6% em 2007. Ribeiro lembra, no entanto, que a participação desses produtos na pauta de importação ainda é de apenas 4,4%. "Na importação, não tem nada fora do comum", diz.

Agronegócio

a) UE recusa lista de 2,6 mil fazendas e suspende compra de carne do Brasil

Por uma seqüência de negligências do governo brasileiro e confusão burocrática, a carne bovina nacional está suspensa do mercado europeu por tempo indeterminado. A União Européia (UE) não aceitou a lista de 2,6 mil fazendas apresentada pelo governo, que receberia o sinal verde para exportar carne ao principal mercado mundial. Uma nova missão da UE será enviada em 25 de fevereiro ao País, mas o Itamaraty já prevê a interrupção do comércio pelo menos por dois meses, mesmo que o problema não seja a qualidade da carne, e sim a incapacidade do País de seguir as recomendações dos importadores.

Depois de dois anos de debates e de várias oportunidades dadas pelos europeus para que o Brasil colocasse seu sistema de rastreamento de gado em ordem, Bruxelas anunciou em dezembro que o País teria até hoje para enviar uma lista de propriedades que atendessem às exigências sanitárias da UE. Pelos cálculos dos veterinários europeus, apenas 3% das fazendas brasileiras poderiam estar nessas condições - cerca de 300 propriedades. Entre as exigências, constam a necessidade de comprovação de que o gado estava há mais de 40 dias na propriedade e mais de 90 dias em um Estado livre da febre aftosa. Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo já estão fora da lista por causa da aftosa detectada há dois anos.

Mas o governo, sem coordenar a lista entre os Estados, enviou em partes a relação com as 2,6 mil fazendas. Só o Estado de Minas Gerais preparou uma lista de 1,3 mil e encaminhou ao governo federal. A Europa se recusou a publicar a lista em seu diário oficial, embora a Comissão admita que não se trata de uma ameaça à saúde dos consumidores e, sim, de uma suspensão técnica.

O governo já sabia há três dias que não havia garantias de que a exportação seria mantida. "Alertamos que, no momento, não há garantias de que a produção de carne fresca de bovinos, obtida de animais oriundos de fazendas constantes na referida lista, poderá ser exportada para aquele bloco econômico (UE)", afirmou a Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura. O documento, que circulou internamente no governo, é datado de 28 de janeiro e assinado por Ari Crespim dos Anjos, do Ministério da Agricultura.

Irritada com a atitude do Brasil, a UE deixou claro ao governo, na noite de terça-feira,que a lista era inaceitável. Ontem, Bruxelas confirmou a suspensão em declaração à imprensa. O comissário de Saúde do bloco, Markos Kyprianou, que por meses apoiou os esforços do Brasil, perdeu a paciência. Diante da pressão de grupos privados europeus, principalmente da Irlanda, o comissário teve de ceder e aceitar a suspensão.

"Consideramos cerca de 300 propriedades como autorizadas a exportar para a UE, com base em inspeções prévias", disse Kyprianou. "Agora, não há uma lista de propriedades autorizadas e, neste momento, não há propriedades brasileiras autorizadas a exportar para a UE."

O comissário admite que a situação pode mudar "logo". Mas deixou claro que, por enquanto, a suspensão está declarada. No Itamaraty, todo o discurso e reuniões no exterior para provar que a carne nacional era segura acabaram desacreditados pela falta de organização no Ministério da Agricultura e a confusão em torno das listas.

O governo alegou que enviou uma lista oito vezes maior que a pedida pelos europeus diante do fato de que todas as fazendas cumpriam as exigências e, portanto, não poderia escolher entre elas. Na prática, o Brasil tentou jogar a responsabilidade da escolha das fazendas de volta aos europeus.

Funcionários de alto escalão do governo ainda acreditavam que as ameaças da UE não passariam de blefe, já que o bloco precisaria da carne nacional para manter a inflação de alimentos em baixa. Ontem, a UE deixou claro que não ficará refém de nenhum fornecedor. Os brasileiros também não contavam que o produto poderá ser substituído por outros exportadores, como Uruguai e Austrália, além dos próprios europeus.

Em Bruxelas, autoridades européias não disfarçam a decepção em relação à atitude do Brasil. Ministros, veterinários e setor privado brasileiro fizeram várias viagens a Bruxelas para tentar convencer os europeus de que a carne estava dentro dos padrões. Kyprianou, quando esteve no Brasil, foi recebido com um enorme churrasco. O que os brasileiros não sabiam era que o comissário é vegetariano.

b) Restrições provocam baixa das ações dos frigoríficos exportadores do país

Notas tranqüilizadoras enviadas ontem aos investidores não foram suficientes para evitar a desvalorização das ações dos frigoríficos exportadores brasileiros que estão na Bovespa. As restrições impostas pela União Européia à carne bovina do país falaram mais alto.

A maior queda foi a dos papéis ON da JBS-Friboi, que atingiu 0,84% no dia. A empresa, a maior do mundo em seu segmento, bem que tentou sair na frente da crise com a UE. No domingo, enviou comunicado "otimista" à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), no qual sinalizou altas de Ebitda e faturamento líquido em 2008.

Para o Ebitda, o aumento previsto para este ano é de R$ 177 milhões. Já a receita deverá alcançar R$ 25,5 bilhões, considerando-se todas as frentes de atuação do grupo: Brasil, Argentina, Austrália e Estados Unidos.

Ainda assim, Sergio Longo, diretor de finanças e de relações com os investidores da JBS, admitiu, no comunicado, que as as exportações de carne bovina in natura para a União Européia vão cair. Lembrou que em janeiro os embarques permaneceram aquecidos e disse que já são perceptíveis, por causa das restrições, aumentos no preços da carne bovina in natura, elevação de demanda e preço de produtos industrializados do Mercosul.

O grupo Marfrig, outro grande exportador de carne bovina, avisou ontem que as suas unidades de abate de animais terão a produção de carne in natura direcionada a outros destinos. A empresa informou que aproveitará o problema para fortalecer sua posição no mercado doméstico e, com isso, descarta uma queda da produção.

O Marfrig, que conta com nove unidades de bovinos na Argentina (5) e no Uruguai (4), esclareceu que estes trabalharão a plena capacidade. O grupo prevê que, com as travas européias ao Brasil, crescerá a demanda do bloco pelas carnes argentina e uruguaia. Mas as ações ON recuaram 0,83%.

Já o Minerva, terceiro e último frigorífico de carne bovina listado em bolsa, enfrentou ontem, além das más notícias da Europa, a decisão do Cade de manter, ainda que retificadas, as multas do processo que condenou frigoríficos brasileiros por formação de cartel. Seus papéis ON recuaram 0,12%.

Outro exportador que já encara os problemas derivados da postura da UE é o Independência. A empresa não tem ações negociadas em bolsa, mas tem essa ambição e preferiu comunicar que duas de suas oito plantas de abate serão impactadas - Janaúba (MG) e Senador Canedo (GO).

Como no caso do Marfrig, o Independência informou que, no front externo - os embarques representam cerca de 15% de seu faturamento - tentará destinar volumes maiores para Rússia, Egito e Oriente Médio. A companhia também vê no mercado doméstico uma importante saída para evitar problemas mais graves.

Em comunicado, o Independência disse que seus planos de expansão no segmento de couro não serão afetados. E informou que, na eclosão dos focos de febre aftosa no Mato Grosso do Sul e no Paraná, em 2005, as exportações a partir desses Estados (além de São Paulo) foram bloqueadas pela UE, mas não foi afetado o crescimento da receita e das margens da empresa.

Apesar desses posicionamentos, Leonardo Alencar, analista da Scot Consultoria, avalia que as margens das exportadoras deverá, sim, ser afetada, mesmo que elas consigam vender mais carne bovina in natura no mercado interno e exportar mais carne industrializada. A razão é que os preços desses produtos são mais baixos que os dos cortes vendidos na Europa.

c) Milho sobe alheio à turbulência externa

Apesar da turbulência internacional, que provocou forte volatilidade nas últimas semanas nos mercados, os preços das commodities agrícolas, sobretudo os grãos, saíram praticamente ilesos, registrando até forte valorização no mês de janeiro. A alta reflete a boa demanda para esses produtos, com maior destaque para o milho, que tem nos países asiáticos seus principais interessados.

"Mesmo com a crise internacional, que derrubou boa parte das commodities nas bolsas em janeiro, são os fundamentos que precificam os produtos", observa Leonardo Sologuren, da consultoria Céleres. E no caso do milho e da soja, os fundamentos tiveram um forte peso no comportamento dos preços , afirmam analistas ouvidos pelo Valor. "Os registros de exportação americanos para o milho foram altos em janeiro, superando os volumes do mesmo período do ano passado", diz Flávia Moura, da Fimat Futures, corretora de commodities com sede em Nova York. "Há uma forte demanda pelo grão por parte de Taiwan, Japão e Coréia do Sul."

A maior demanda, combinada com a alta do petróleo, ajudou a sustentar as cotações do milho no mês passado. Segundo cálculos do Valor Data baseados nas cotações médias mensais dos contratos futuros de segunda posição de entrega (normalmente os de maior liquidez), o salto do milho foi de 14,29% no mês passado. Os preços médios da soja subiram 8,78% no mesmo período.

"Os fundamentos para soja também permanecem os mesmos", afirma Sologuren. A área de soja nos EUA só não crescerá mais porque foi limitada pelo milho.

As incertezas sobre os rumos da crise mundial continuam e o mercado ainda se divide sobre o possível recrudescimento da recessão americana. "Se a recessão for realmente confirmada, o cenário para as commodities agrícolas pode mudar radicalmente" afirma Sologuren. Flávia observa que a resolução do Fed, o banco central americano, de reduzir a taxa de juros dos EUA, pode sinalizar cenário positivo para as commodities.

O trigo, que quase dobrou de preço nos últimos 12 meses, registrou apenas leve aumento em janeiro. Apesar ainda dos estoques menores em importantes países produtores do cereal, a commodity foi mais pressionada pelas turbulências, por conta de especulações de recuo de demanda pelo produto.

Já as commodities negociadas na bolsa de Nova York sentiram mais o impacto da crise internacional, com exceção do açúcar, que teve comportamento atípico de alta, mesmo com os fundamentos negativos pesando sobre o produto. As cotações médias dos contratos futuros fecharam com aumento de 12,48% em janeiro.

"Os preços do açúcar subiram impulsionados por compras de fundos no mercado. Havia notícias também de gargalo logístico na Índia, que não conseguia escoar o produto", afirma Rodrigo Costa, da Fimat. A alta do petróleo também ajudou a sustentar as cotações do produto. Mesmo assim, o cenário para a commodity é baixista, considerando a produção recorde de cana no Brasil e na Índia, os dois principais produtores mundiais.

No caso do café, mesmo os fundamentos indicando aumento de demanda, os preços não reagiram motivados pelos fundamentos. As cotações médias do grão subiram 2,53% no mês passado.

Os fundos de investimentos também miraram o cacau no mês de janeiro. "De repente, o cacau ficou mais atraente para os fundos. Há um exagero. Os preços podem voltar a ceder", afirma Thomas Hartmann, da TH Consultoria. Os preços médios da amêndoa subiram 5,36% em janeiro. Segundo Hartmann, a falta de chuvas nos países produtores da África também deu suporte aos preços.

As cotações médias do algodão subiram 6,42% no mês de janeiro. O cenário não é tão positivo para a commodity, que em caso de recessão poderá registrar queda da demanda. O suco de laranja pode ter um destino parecido, a não ser que a safra americana de laranja sofra novo revés. No mês passado, as cotações médias da commodity registraram queda de 4,67%.

Mercosul

a) Camex retira sobretaxa de resina PET argentina

Duas boas notícias para a Argentina saíram da reunião de ministros da Câmara de Comércio Exterior (Camex): foi retirada a sobretaxa punitiva imposta às importações de resina PET, matéria-prima para garrafas plásticas, fabricada no país vizinho, e foi adiada a decisão de reduzir tarifas de importação para compras de trigo fornecidos por países concorrentes dos argentinos. A decisão sobre o trigo seria tomada para evitar desabastecimento do produto, provocado pela suspensão de exportações por parte dos argentinos.

Os ministros da Camex já estavam prestes a autorizar tarifas menores para o trigo de países como Estados Unidos e Canadá, abrindo mais o mercado do Brasil a concorrentes da Argentina, ontem, quando chegou em Brasília a notícia de que o governo argentino decidira retomar os registros de exportação do produto, suspensos desde o ano passado. Os argentinos comunicaram que o Brasil terá direito a importar até 400 mil toneladas por cinco meses, o que, segundo o ministro da Agricultura, Reinhold Stephannes, pode ser "satisfatório".

Stephannes ressalvou, porém, que o anúncio argentino não detalha as condições da reabertura de exportações de trigo, nem indica a data em que serão efetivamente retomadas.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, deverá entrar em contato com o ministério de Economia da Argentina, e, se as condições de reabertura da exportação não forem consideradas suficientes, os ministros poderão decidir a queda nas tarifas de importação por telefone, como medida ad referendum da Camex.

No caso da resina PET, a decisão de retirar as tarifas impostas ao produto argentino sob acusação de dumping deve aumentar a concorrência com a recém-instalada fábrica do mesmo produto em Pernambuco, pela italiana M&G. A M&G, autora da ação antidumping foi consultada e, segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, teria aceitado a decisão do governo. A tarifa punitiva imposta pelo Brasil havia levado a Argentina a abrir um constrangedor processo contra o Brasil, questionando a medida, na Organização Mundial do Comércio (OMC), o que foi visto por críticos como sinal de debilidade do Mercosul. A Argentina concordou em retirar o processo aberto na OMC.

A Camex decidiu, ainda, mudanças na lista de exceções à Tarifa Externa do Mercosul, que beneficiarão principalmente a indústria de cosméticos. Cada sócio maior do Mercosul tem direito a manter até cem produtos com tarifas diferentes das adotadas pelos demais sócios.

Foram reduzidas as tarifas de óleo de palmiste em bruto (com cota de 37 mil toneladas), e de polidimetilsiloxano (uma espécie de silicone altamente viscoso) usado em xampus, além de aumentada a cota de óleo de palmiste refinado.

Devido à demanda superior à produção nacional, também foi reduzida, de 30% para 25%, a tarifa de importação do sorbitol, usado em alimentos, medicamentos e produtos de limpeza.

A pedido da indústria de máquinas agrícolas, o governo baixou de 12% a zero a tarifa de importação de chapa de aço laminada a quente, e, devido à pequena importação de outros produtos siderúrgicos, foram retirados da lista de exceções e terão de pagar tarifas entre 10% a 12% os vergalhões, bobinas de aço laminadas a quente e bobinas e chapas finas de aço carbolaminados a frio.

Segundo a secretária-executiva da Camex, Lytha Espíndola, o governo deverá tomar, nos próximos dias, medidas de "facilitação de comércio", com redução de burocracia e exigências nas exportações e importações. "Queremos nos concentrar em um número pequeno de produtos, realmente relevantes e estratégicos. Hoje dispersamos nossa atenção em um número excessivo", comentou a secretária-executiva, para quem os mecanismos de controle do comércio externo deverão aumentar o "foco". As medidas serão divulgadas durante o ano, com "novidades todos os meses", anunciou.

Organização Mundial do Comércio (OMC)           

a) Perda com embargo pode chegar a US$ 180 milhões

O embargo da União Européia à carne brasileira poderá reduzir em até US$ 180 milhões a receita de exportações do País, segundo estimativa do presidente da Associação Brasileira das Indústrias exportadoras de Carnes (Abiec), Marcus Vinícius Pratini de Moraes.

O cálculo considera a manutenção do embargo por 60 dias. "Acredito que nesse período as autoridades de defesa sanitária da Europa e do Brasil alcancem um acordo sobre o assunto", avalia. "Se demorar mais, a situação vai se complicar."

Pratini de Moraes, que já ocupou a cadeira de ministro da Agricultura, considerou o ato da União Européia uma agressão que não está ligada à questão sanitária, mas comercial.

Agora, ele cobra medidas do governo brasileiro. Uma delas seria reunir documentos para um eventual processo que poderá ser aberto na Organização Mundial do Comércio (OMC). "Prefiro, por enquanto, a via negocial, mas, se não houver um acordo em 60 dias, acho que o Brasil pode partir para a OMC, como fizemos no caso do algodão e do açúcar."

Pratini de Moraes cobrou ainda a imediata interrupção de todas as negociações do Brasil com instituições governamentais européias até que se resolva a questão da carne. Mesmo com a recusa da lista brasileira, o ex-ministro disse que o governo deve continuar a certificar as fazendas como exportadoras.

Plano Internacional

a) Crise dos EUA acirra negociação do minério de ferro

A recessão econômica dos Estados Unidos pode acirrar mais as negociações entre mineradoras e usinas de aço para o aumento do preço do minério de ferro este ano e arrastar este processo por mais um mês, pelo menos, segundo avaliação de especialistas. Para eles, o reajuste de preços para 2008 não deverá ser afetado porque os fundamentos de mercado são muito fortes, a favor das mineradoras. "Não há estoques de minério de ferro em lugar nenhum do mundo hoje", disse o presidente do Instituto Brasileiro da Indústria de Mineração (Ibram), Paulo Camilo.

Luciano Ramos, presidente da mineradora London Mining Brasil, disse que as previsões de aumento de preços estão sendo ajustadas mesmo com a expectativa de recessão ou de baixo crescimento americano. "Já ouvi falar em reajuste de até 75%", disse o executivo. Ele trabalha com uma expectativa acima de 50% e está otimista quanto ao futuro. "As previsões são muito boas para 2008 e também 2009. Aguardo alta de 20% para ano que vem, com estabilidade a partir de 2010". Ramos não espera nenhum impacto significativo na produção de aço da China no curto prazo. E prevê déficit entre oferta e demanda de minério de 25 milhões de toneladas neste ano e no próximo.

"A procura por minério vem de todo lado, principalmente da China e Taiwan" relata um executivo de uma mineradora brasileira que disse receber telefonemas diários dos mais variados tipos de representantes comerciais desses países no Brasil. Um parâmetro que sustenta um cenário favorável às mineradoras é o preço no mercado "spot" de minério indiano na China, de até US$ 180 a tonelada, afirmou o executivo.

A análise dos especialistas é de que o reajuste do minério pode ficar dentro dos parâmetros entre 50% a 55%. O banco Credit Suisse reviu sua projeção de alta do minério de 35% para 55%, mas este percentual é assumido como "conservador" pelo banco suíço. E sugere que o aumento este ano possa ser maior, talvez 70%, dadas as semelhanças da situação atual de mercado com o ano de 2005, quando o minério registrou 71,5% de reajuste, o maior de sua história.

Para Roger Downey, analista de mineração do Credit Suisse, há uma boa chance de o minério atingir alta acima de 70%, apesar das ameaças de um menor crescimento nos Estados Unidos. "O preço do spot na China subiu 80%, de US$ 100 para US$ 180 a tonelada, indicando aperto do do mercado chinês. Por que o minério, cuja base de preço no Brasil é US$ 50 por tonelada, não pode subir em proporções próximas disto?", indaga. Ele projeta comércio de 870 milhões de toneladas de minério no mercado transoceânico este ano. As usinas chinesas vão importar 440 milhões. No ano passado, esse mercado movimentou 790 milhões de toneladas do produto.

Camilo, do Ibram, diz que o Fundo Monetário Internacional (FMI) está prevendo crescimento de 10% para a economia chinesa em 2008, abaixo dos 11,4% de 2007. Esta diferença de 1,4 ponto percentual, porém, não o impressiona. \Para ele, a queda-de-braço presente nas negociações entre siderúrgicas e a Vale do Rio Doce vem demonstrando que os produtores de minério estão com poder de barganha absoluto. A redução da atividade americana até agora não afetou o mercado local de aço, informou o Instituto Brasileiro de Siderurgia.

As usinas americanas usam menos minério, e tudo do país e Canadá, e a maioria da indústria siderúrgica local utiliza sucata para produzir aço. Por outro lado, projeções de bancos e consultorias estimam produção de 530 milhões de toneladas de aço bruto na China este ano, ante um consumo de 470 a 480 milhões de toneladas. "A maior parte deste aço é demandada para obras de infra-estrutura e consumida na própria China", ressalta Camilo.

Fabio Silveira, diretor sócio da RC Consultores e Rafael Biderman, analista de mineração do Bradesco, têm um olhar diferente para este cenário. Na avaliação de Silveira, se acontecer mesmo uma recessão nos EUA, a maior economia do planeta, a demanda global por bens de capital para investimentos e de bens duráveis pode ser afetada e levar a um declínio na produção e consequentemente no preço do aço, atingindo o minério de ferro. "Não há espaço para os produtos siderúrgicos continuarem subindo frente a um enfraquecimento da demanda global, incluindo a China", alerta. Ele avalia que neste cenário, os preços do minério poderão começar a encolher em 2009.

Para Biderman, o grande risco para o setor de mineração, hoje alvo de um forte processo de concentração, são as distorções do cenário macroeconômico que possam vir a afetar fortemente o mercado chinês. Ele estima reajuste de 25% nos preços do minério - a menor projeção do mercado.

Outro fator favorável às mineradoras: os preços do frete entre Brasil e China, por exemplo, já caíram de US$ 90 a tonelada há três meses para US$ atualmente.

b) Davos - Fórum termina em um clima sombrio

Depois de cinco dias de debates e reuniões, terminou a edição de 2008 do Fórum Econômico Mundial, na cidade suíça de Davos. Mas, ao contrário do ano passado, o encerramento teve um clima mais sombrio. A atual crise que atinge os EUA e provoca oscilações nos principais mercados financeiros do mundo foi motivo de preocupação de economistas, líderes e empresários de vários países que participaram do evento.

O temor de que a economia americana entre em recessão dominou os debates durante todo o encontro. Já no primeiro dia da reunião, na quarta-feira, a secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, tentou tranqüilizar os participantes:
- Sei que muitos estão preocupados com as recentes flutuações nos mercados financeiros, mas a economia dos Estados Unidos é resistente e tem uma es trutura sólida. Nossa economia continuará sendo um motor do crescimento econômico mundial.

A declaração de Rice não serviu para espantar o pessimismo. Um dia antes do início do evento, o Federal Reserve (Fed, o Banco Central americano) anunciou um corte de 0,75 ponto percentual em sua taxa de juros, a fim de estimular o consumo e impulsionar a economia. A medida foi vista com descrença por alguns participantes do fórum, entre eles o professor de economia Nouriel Rubini. Para ele, o Fed não poderia evitar uma recessão nos EUA.

Roubini foi um dos especialistas que fizeram provisões nebulosas sobre a economia mundial neste ano. Segundo ele, o ano será marcado por uma grande recessão nos EUA, e uma forte desaceleração na Europa e nos países emergentes.

-Os Estados Unidos não vão apenas espirrar e pegar um resfriado, terão uma grande pneumonia - disse Roubini.

O pacote econômico anunciado pelo presidente George W. Bush, que prevê, entre outras ações, um incentivo fiscal de cerca de US$ 145 bilhões, também foi alvo de críticas. Na avaliação do executivo-chefe do banco americano Merril Lynch, John Thain, um dos bancos afetados pela inadimplência no setor segmento imobiliário subprime, o corte na taxa de juros e o pacote de incentivo anunciado pelo governo não serão suficientes para aliviar a crise.

O diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, foi ainda mais enfático. Ele pediu que os EUA dêem uma "resposta séria" à crise que causa turbulência nos mercados.

- O problema não pode ser resolvido apenas por mudanças na política monetária, apesar dela ser importante. Temos que visualizar o todo, e isso inclui a política fiscal - disse Strauss-Khan.

A perspectiva de recessão trouxe à pauta de Davos discussões sobre a conclusão da Rodada Doha, que se arrasta há seis anos. Especialistas alertaram que uma desaceleração na economia global pode aumentar o protecionismo por parte dos países ricos.

Em uma reunião envolvendo ministros de Comércio, ontem, a maioria concordou em concluir a Rodada de Doha em 2008. É "agora ou nunca", disse em entrevista coletiva a ministra de Finanças da Suíça, Doris Leuthard. Foi estipulada uma nova reunião ministerial em Genebra, por volta de abril, para dar continuidade às negociações. A reunião de ontem, no entanto, precisa ser referendada pelos 151 países que formam a Organização Mundial do Comércio (OMC).

O Fórum Econômico Mundial deste ano contou com a participação de 30 chefes de Estado e mais de 110 ministros, além de economistas e executivos das maiores empresas do mundo.

©2017 rbarbosaconsult.com.br – Todos os direitos reservados. Av. Brig Faria Lima, 2413 Sobreloja Conj. B - São Paulo - SP | Fone: (5511) 3039 6330