22 a 26 de outubro de 2007

Comércio Exterior

Resultados
Exportações chinesas levam ao primeiro déficit na balança comercial desde 2002
Concorrência da China faz Brasil vender US$ 1 bi a menos aos EUA

Agronegócio

Ciclo de alta em preços agrícolas perto do fim
Expansão agrícola do País será 'espetacular'

Mercosul

Mercosul quer criar fundo para pequena empresa
Mercosul fecha proposta para industriais
Comissão dá aval à adesão da Venezuela
Reforçar o Mercosul deve ser prioridade de Cristina Kirchner


OMC

Comércio mundial: Doha está em fase "perigosa", afirma embaixador
A lentidão de Doha
Paulson quer mais concessões na OMC

Plano Internacional

Rússia preocupa
Participação de produtos chineses cresce nas importações da Alemanha
Petróleo volta a subir em Nova York




Comércio Exterior

a) Resultados

A balança comercial brasileira apresentou superávit de US$ 469 milhões na terceira semana de outubro (dias 15 a 21). Esse resultado é a diferença entre as exportações de US$ 3,419 bilhões e importações de US$ 2,950 bilhões. Pelo movimento da média diária, que é o total negociado por dia útil, as importações foram recordes.

Na primeira semana do mês o superávit foi de US$ 483 milhões e na segunda, de US$ 1,060 bilhão. No acumulado do mês, o saldo positivo está em US$ 2,012 bilhões. As exportações no mês somam US$ 9,772 bilhões e as importações, US$ 7,760 bilhões.

No ano, o superávit comercial é de US$ 32,959 bilhões, uma queda de 10,7% em relação ao mesmo período do ano passado (US$ 36,915 bilhões). O principal fator para essa queda é a compra de produtos importados. As importações têm subido em um ritmo muito superior ao das exportações, estimuladas pela baixa cotação do dólar. De janeiro até a terceira semana de outubro, as exportações somam US$ 126,371 bilhões e as importações, US$ 93,412 bilhões - crescimentos de 15,6% e 28,9%, respectivamente. O mercado financeiro estima um superávit da balança comercial de US$ 42 bilhões neste ano, enquanto o Banco Central projeta um saldo positivo de US$ 40 bilhões.

b) Exportações chinesas levam ao primeiro déficit na balança comercial desde 2002

O rápido crescimento das importações levou os representantes da indústria de autopeças a alterar completamente as previsões da balança comercial do setor. Do cálculo inicial de superávit de US$ 1,8 bilhão no início do ano, o setor já se conforma agora em aceitar o déficit de US$ 100 milhões. Será o primeiro o resultado negativo da balança do setor desde 2002.

A revisão das previsões foi feita há poucos dias pelo Sindicato Nacional da Indústria de Componentes Automotivos (Sindipeças). Os técnicos da entidade atribuíram a mudança ao aumento das importações, mas não apontaram país algum especificamente.

Se os técnicos se debruçarem nos números acumulados no ano perceberão que o déficit na balança comercial de autopeças entre Brasil e China já é do tamanho do déficit previsto para todo o setor o ano inteiro. De janeiro a agosto a diferença entre exportações e importações de componentes brasileiros para a China deu um resultado negativo de US$ 106,2 milhões.

c) Concorrência da China faz Brasil vender US$ 1 bi a menos aos EUA

O Brasil perdeu para a China mais de US$ 1 bilhão em exportação para os Estados Unidos só no ano passado. Essa é uma das principais conclusões de um estudo inédito da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Mantido o ritmo de avanço dos chineses sobre os mercados tradicionais brasileiros, a entidade estima que, em uma década, o País deixará de exportar o equivalente a quase a metade de suas vendas para os EUA, que somaram US$ 26,17 bilhões em 2006.

’A China tem mantido nos últimos 15 a 20 anos uma atitude agressiva e proativa em termos da expansão das exportações, enquanto aqui o exportador só recebe pedrada e é chamado de chorão por reclamar de fatores como o câmbio desfavorável e a elevada carga tributária’, diz Roberto Giannetti da Fonseca, diretor do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior da Fiesp.

Agronegócio

a) Ciclo de alta em preços agrícolas perto do fim

O ciclo de alta nos preços agrícolas do atacado paulista, que durou 14 semanas consecutivas, começa a dar sinais de reversão. O índice da RC Consultores, que analisa o comportamento dos preços de uma cesta de 17 produtos agrícolas, registrou retração de 0,4% na semana encerrada no dia 18, em comparação com a semana anterior. O índice acumula alta de 2,9% ante setembro e de 25,3% na comparação com setembro de 2006.

Na semana, houve queda nos preços de tomate (27,7%), milho (3,6%), ovos (2,6%), arroz (1,8%), café (1,0%) e açúcar (0,6%). Por outro lado, houve aumento nos preços de (0,4%), soja (0,5%), carne bovina (0,8%), batata (2,6%), carne suína (3,7%) e feijão (6,5%). As cotações de algodão, frango, laranja, leite tipo B e tipo C permaneceram estáveis no mesmo período.

Fabio Silveira, da RC Consultores, diz que a queda nos preços do complexo carnes com o fim da entressafra do boi e a desvalorização do dólar - que comprometeu parcialmente as exportações de commodities - devem provocar um aumento da oferta interna de produtos agrícolas, arrefecendo a tendência de alta nos preços.

b) Expansão agrícola do País será 'espetacular'

O Brasil será o maior exportador de soja do mundo em 2009 e, em dez anos, venderá mais carne que todos os seus concorrentes juntos. As projeções são da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que destaca o crescimento "espetacular" da agricultura brasileira nos próximos dez anos.

Mas a entidade não esconde o temor pelo impacto desse crescimento no meio ambiente. Para a OCDE, o País tem a "difícil tarefa" de resolver o dilema entre proteger as florestas e aproveitar as oportunidades de negócios. Outro problema é a concentração cada vez maior de terras que nem a reforma agrária poderá reverter.

As projeções para a agricultura mundial até 2016 não deixam dúvida de que o futuro do etanol definirá o volume de terra destinado aos demais setores, e até definirá o preços das commodities. Nesse cenário, a OCDE estima que o Brasil tem tudo para avançar na produção.

Mercosul

a) Mercosul quer criar fundo para pequena empresa

Um novo fundo de apoio a pequenas e médias empresas do Mercosul pode começar a sair do papel esta semana. A montagem do fundo será discutida pelos ministros de relações exteriores dos quatro países (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai) do bloco mais a Venezuela em uma reunião extraordinário do Conselho do Mercado Comum, marcada para quinta-feira em Montevidéu, Uruguai.

A criação do novo fundo foi decidida na última reunião de cúpula do Mercosul, em Assunção, Paraguai, em junho. A idéia é usar os recursos do fundo para abrir linhas de financiamento de longo prazo e juros baixos para pequenas e médias empresas que participem dos programas de integração competitiva. Esses programas consistem em incentivos a setores econômicos (automotivo, têxtil, alimentos etc) para que instalem parte de suas cadeias produtivas nos países menores, Uruguai e Paraguai.

A medida será discutida dentro de um "plano estratégico para superação das assimetrias", que é o tema principal da pauta do encontro, informou ao Valor o embaixador Regis Arslanian, chefe da delegação brasileira no Mercosul e na Aladi.

b) Mercosul fecha proposta para industriais

O Mercosul conseguiu enfim definir ontem à noite uma proposta a ser apresentada nas negociações da Organização Mundial do Comércio (OMC). O bloco vai pedir flexibilidade até 50% maior (de 10% para 15% das linhas tarifárias) para proteger mais setores industriais do bloco, como condição para aceitar um acordo da Rodada Doha.

Negociadores do Brasil e Argentina conseguiram o apoio do Paraguai e do Uruguai para o bloco negociar também a eliminação de outra trava no texto industrial em discussão, para dar mais margem para proteger o setor. Essa segunda trava está relacionada ao volume de comércio. "Ficou tudo acertado no nível técnico, agora as decisões passarão pelo crivo dos ministros nesta quinta-feira", comentou um negociador. A proposta do Mercosul será mais ampla do que a Índia chegou a sugerir recentemente e que provocou forte rejeição dos Estados Unidos e União Européia (UE) e acusações de que o Brasil, a própria Índia, Argentina e África do Sul ameaçavam destruir a negociação global.

c) Comissão dá aval à adesão da Venezuela

A Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados aprovou ontem a adesão da Venezuela ao Mercosul, após cerca de cinco horas de discussões marcadas por polêmicas entre governistas e oposicionistas. Logo no início da reunião, o deputado William Woo (PSDB-SP) apresentou requerimento para retirar o assunto de pauta até que fosse melhor analisada a estabilidade da democracia na Venezuela. O requerimento foi rejeitado.

O relator da mensagem do executivo de adesão da Venezuela ao Mercosul, deputado Dr. Rosinha (PT-PR), apresentou parecer favorável. Ele disse que no debate "não caberia empecilho ideológico, uma vez que o que estamos debatendo é a entrada de um país no Mercosul, e não de um governante no Mercosul. Na minha opinião, os Estados Unidos não têm democracia, pois a eleição é indireta. Se for comparar Estados Unidos e Venezuela em termos de eleição, a Venezuela é mais democrática".

As atitudes recentes do presidente Hugo Chávez - os planos de nacionalização de empresas, a não-renovação de um canal de televisão e a declaração de que tornaria a Bolívia um Vietnã se seu presidente fosse desestabilizado - foram alvo de discussões entre os deputados. Para o líder do PSDB na Câmara, Antonio Carlos Pannunzio (SP), não há estabilidade política no país. "Há uma preocupação com instabilidade que hoje existe, a meu ver, na Venezuela, decorrente das ações do governo", afirmou o deputado.

A mensagem agora será apreciada pela Comissão de Constituição e Justiça para depois ser votada no plenário da Câmara. O protocolo de adesão da Venezuela ao Mercosul prevê prazo máximo de quatro anos para que o país adote as normas do grupo. O mesmo prazo é imposto para que o país adote a Tarifa Externa Comum (TEC). Argentina e Uruguai já aprovaram a adesão da Venezuela ao bloco. Além do Brasil, o protocolo também está em tramitação no Legislativo do Paraguai.
Reforçar o Mercosul deve ser prioridade de Cristina Kirchner

d) Reforçar o Mercosul deve ser prioridade de Cristina Kirchner

A forte expansão da economia argentina nos quatro anos do atual governo fez diminuir as disputas comerciais com o Brasil, e a relação bilateral, tanto política quanto econômica, está numa de suas melhores fases, como frisam sempre os presidentes Lula e Kirchner. Mas especialistas apontam que ambos os governos - o do Brasil, que se renovou no ano passado, e o da Argentina, que será eleito neste domingo, - estão em dívida com o projeto conjunto de integração, o Mercosul, que compartilham com Paraguai e Uruguai, e que está para incluir a Venezuela.

No auge das disputas entre as indústrias brasileiras e argentinas, em 2004, geladeiras, sapatos e frangos viraram armas de uma "guerra" declarada, com direito a ofensas pessoais - quando um dirigente industrial argentino chamou o ex-ministro brasileiro do Desenvolvimento, Luis Fernando Furlan, de "criador de galinhas", atacando sua suposta insensibilidade com o comércio de bens industriais.

Desde então, a lista de itens conflituosos do comércio bilateral permaneceu estável em pouco mais de 20 produtos. Porém, estes mesmos produtos, que antes representavam de 8% a 10% das importações, agora não passam de 6% a 7%, porque o comércio entre os dois países cresceu significativamente, ao contrário do que indicava o "clima" beligerante.

OMC           

a) Comércio mundial: Doha está em fase "perigosa", afirma embaixador

As negociações da Rodada Doha, de liberalização do comércio mundial, atravessam uma fase "extremamente perigosa", afirmou o embaixador do Brasil na OMC (Organização Mundial do Comércio), Clodoaldo Hugueney, que acusou os países ricos de ignorarem as demandas dos países em desenvolvimento. "Se os textos são desequilibrados, existe a possibilidade de um fracasso e será um fracasso definitivo."

b) A lentidão de Doha

O relatório mais recente sobre subsídios agrícolas da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico, clube de 30 países ricos, pouco tem de animador. Embora registre progresso na redução de subsídios que sustentam a agricultura dos países mais desenvolvidos, o documento se encarrega de solapá-lo ao mostrar que pesaram mais fatores conjunturais do que um recuo palpável nos mecanismos que distorcem o comércio mundial.

O montante das vantagens garantidas por governos da OCDE a produtores rurais, em 2006, alcançou US$ 268 bilhões (isso equivale a cerca de um quarto do PIB brasileiro). Nada menos que 27% da receita auferida pelos agricultores nessas 30 nações provêm de ajuda governamental. Em geral, subsídios para manter os preços internos elevados -21% acima dos vigentes no mercado mundial, em média.

Houve alguma melhora, é fato. Em 2005, chegava a 29% a fatia do apoio estatal aos agricultores da OCDE. Ela só diminuiu dois pontos percentuais porque a maioria das commodities se encontra em alta. Muitos subsídios diminuem quando o preço do bem aumenta.

Os mais prejudicados são países com setor agrícola competitivo, como o Brasil. Basta mencionar o que ocorre com o produto da hora, álcool combustível (etanol): os EUA subvencionam com 13 centavos de dólar por litro o ineficiente etanol produzido a partir do milho. O documento da OCDE conclui que, sem tal gênero de proteção, só o etanol do Brasil seria competitivo.

c) Paulson quer mais concessões na OMC

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Henry Paulson, disse ontem que um acordo comercial global na Rodada Doha ’ainda está bastante ao alcance’, mas os países em desenvolvimento precisam fazer mais concessões. ’A chave para Doha será o acesso aos mercados’ de países como a Índia e o Brasil, acrescentou.

Paulson viaja para a Índia nos próximos dias e disse entender a necessidade desse país de conceder subsídios ao setor agrícola. Ele também pediu que os Estados Unidos não sejam considerados culpados caso as conversações fracassem e reafirmou que o governo do presidente George w. Bush ’se moveu e mostrou disposição para mudar posições’ durante as negociações recentes.

Segundo o secretário, outros países têm reclamado dos subsídios agrícolas americanos porque o resto da economia dos Estados Unidos é muito aberto. ’Se não concluirmos um acordo, isso não terá nada a ver com os subsídios agrícolas nos EUA’, declarou. Referindo-se à questão do câmbio, Paulson reiterou que a China precisa acelerar a valorização do yuan em relação ao dólar, mas ressalvou que o caso da Índia é diferente, porque o país está em um estágio de desenvolvimento diferente do da China.

Plano Internacional

a) Rússia preocupa

Os preços futuros do trigo registraram forte alta na sexta-feira, devido a especulações de que a Rússia limitará suas exportações na tentativa de controlar os preços dos alimentos no país. O governo aprovou uma alta de imposto de 10% - US$ 31 por tonelada - a partir de 12 de novembro. Segundo o Ministério da Economia, o imposto poderá subir mais, para 30%, diante da escassez de alimentos. "Se subirem, os russos irão desacelerar as exportações", afirmou à Bloomberg Larry Glenn, da Glenn Commodities, de Kansas. Em Chicago, os papéis para dezembro subiram de 30 centavos e fecharam a US$ 8,555 por bushel. Em Kansas, os contratos para março fecharam a US$ 8,7625, alta de 30 centavos. No Paraná, a saca de 60 quilos encerrou o pregão a R$ 32,63, queda de 1,60%, segundo o Deral.

b) Participação de produtos chineses cresce nas importações da Alemanha

A participação dos produtos chineses nas importações alemãs cresceu significativamente em 2006 e já ultrapassa a fatia dos produtos comprados dos EUA. No total, 6,7% dos produtos importados pela Alemanha vêm da China. Isso representa compras de 48,8 bilhões de euros apenas no ano passado.

Assim, a China aparece como o terceiro maior fornecedor de produtos para a Alemanha. O país asiático se mantém atrás apenas da França e da Holanda, mas já supera os EUA.

A evolução chinesa na pauta de importação alemã tem crescido significativamente nos últimos anos, a uma taxa média de cerca de 15% ao ano em participação e de 43% ao ano em valores absolutos. Em 1996, a participação do país nas importações da Alemanha era de apenas 2,6%, equivalente a 9,2 bilhões de euros.

Essas informações foram divulgadas hoje pelo Statistisches Bundesamt Deutschland, Destatis, a agência oficial de estatística do país.

c) Petróleo volta a subir em Nova York

O petróleo volta a registrar alta nos contratos futuros negociados em Nova York. Os investidores operam com cautela, aguardando a divulgação, amanhã, dos estoques semanais dos Estados Unidos. Em Londres, os preços futuros do óleo tipo Brent giram perto da estabilidade, com ligeira queda.

Há pouco, o contrato de WTI negociado para novembro em Nova York saía a US$ 86,35, com alta de US$ 0,33. O vencimento de dezembro subia US$ 0,44, para US$ 85,65. Em Londres, o barril de Brent para dezembro caía US$ 0,04, para US$ 83,23. O vencimento para janeiro era cotado a US$ 82,93, com recuo de US$ 0,09.

A preocupação dos investidores com a possibilidade de desaceleração da economia mundial contribui para segurar o preço da commodity. Na ponta contrária, as tensões entre Turquia e militantes curdos na fronteira do Iraque permanecem como um fator de fomento à alta dos preços, pois existe o temor de que conflitos na região possam afetar o fornecimento de petróleo.

©2017 rbarbosaconsult.com.br – Todos os direitos reservados. Av. Brig Faria Lima, 2413 Sobreloja Conj. B - São Paulo - SP | Fone: (5511) 3039 6330