30 a 03 de setembro de 2010

Comércio Exterior

Resultados
América Latina exporta 44% mais para China

Investimentos

Investimento avança, mas ainda é baixo

Agronegócio

Cafeicultor terá crédito para mercado futuro
Valorização do trigo faz preços dos alimentos subirem 5%, diz a FAO
Próxima safra de arroz no Brasil deverá ser 13% maior
Rússia amplia veto à exportação de grãos até a colheita de 2011
O açúcar será o "ouro branco" das exportações neste ano

Mercosul

Mercosul deve se fortalecer para competir, diz Amorim
Fonte afirma que JBS quer vender unidades argentinas
Crise na pecuária argentina ajuda o brasil a exportar, mas carne subirá

Índia pretende ampliar acordo comercial com o Mercosul
Governo quer favorecer produtos argentinos no setor

OMC

Brasil e Argentina se unem por mercados
Comércio global cresceu 25% no 1º semestre, diz OMC

Plano Internacional

Entre 18 países que já divulgaram PIB no trimestre, Brasil fica em 6° lugar




Comércio Exterior

a) Resultados

O aumento de 48,6% nas importações de agosto, frente a agosto de 2009, é resultado das compras para as festas de final de ano. A afirmação é do secretário de comércio exterior do Ministério do Desenvolvimento (Mdic), Welber Barral. "As importações estão bombando durante todo este ano. Agora elas começam a refletir as compras de Natal. Há uma sazonalidade e em agosto e setembro iniciam as compras de bens de consumo", disse Barral. O secretário observou que, além da renda em alta, o dólar baixo também tem contribuído para este crescimento das importações de bens de consumo.

Nos mês passado o Brasil exportou US$ 19,236 bilhões (média diária de US$ 874,4 milhões) e importou US$ 16,796 bilhões (média diária de US$ 763,5 milhões). Tanto as exportações quanto as importações do mês registraram os valores mais elevados de 2010. No período, a corrente de comércio foi de US$ 36,032 bilhões (média diária de US$ 1,637 bilhão) e o superávit de US$ 2,440 bilhões.

Na comparação pela média diária, as exportações aumentaram 32,7% em relação a agosto do ano passado, que teve média de US$ 659,1 milhões. "As vendas de minério de ferro contribuíram para o crescimento registrado em agosto deste ano. Neste caso, as vendas subiram 228%, para US$ 3,6 bilhões, sendo que o preço do produto avançou 168% nesta comparação", frisou Barral.

O saldo comercial diminuiu 23,7% (média diária de US$ 145,4 milhões, nesse mesmo período).

No comparativo com a média diária das exportações registradas em julho deste ano (US$ 803,3 milhões), houve aumento de 8,8%. A média das importações também cresceu 2,9% sobre a do mês passado (US$ 741,6 milhões), assim como a média do saldo comercial, que teve aumento de 79,8% na comparação com o resultado do mesmo período (US$ 61,7 milhões).

No acumulado do ano, o saldo comercial foi superavitário em US$ 11,673 bilhões, porém recuou 41,6% menor. De janeiro a agosto, foram exportados US$ 126,096 bilhões (média diária de US$ 755,1 milhões), um crescimento de 28%. Nas importações, houve aumento de 45,7% em relação aos oito primeiros meses do ano passado. A corrente de comércio, no acumulado do ano, foi de US$ 240,519 bilhões, alta de 35,8%.

b) América Latina exporta 44% mais para China

As exportações da América Latina e Caribe para a China cresceram 44,8% no primeiro semestre de 2010 em relação ao mesmo período de 2009, segundo a Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal). O crescimento foi impulsionado principalmente pela exportação por parte de países da América do Sul de matérias-primas como produtos agrícolas, agropecuários e minério. Países importadores de produtos básicos e "dependentes do turismo e das remessas" de dólares exportaram menos à China.

Investimentos

a) Investimento avança, mas ainda é baixo

Apesar de o PIB do segundo trimestre de 2010 ter vindo acima das expectativas do governo e do mercado, o essencial é que o nível de investimentos na economia brasileira permanece abaixo do patamar pré-crise 2008/09.

No segundo trimestre, houve uma "estilingada" nos investimentos, de 26,5%. É a maior da série do PIB captado pelo IBGE desde 1996.

Mas o crescimento se deu sobre uma base muito baixa, na comparação sobre o mesmo trimestre de 2009 (quando a crise internacional atingiu em cheio o Brasil).

Os investimentos são denominados no PIB pela sigla FBCF (Formação Bruta de Capital Fixo).
Ela reúne vários itens, além de fábricas e equipamentos novos. Inclui vans, caminhões para transporte de produtos e mesmo unidades de construção civil.

Hoje, a FBCF corresponde a 17,9% do PIB. Os quase 80% restantes são consumo.
Antes da crise, esse indicador era maior (estava em 18,4%). E mantinha uma tendência de alta.

Muitos economistas acreditam que o Brasil precisa ter investimentos equivalentes a 25% do PIB (ante os 17,9% atuais) para poder crescer sem inflação ou rombo nas contas externas -causado pela necessidade de importar produtos que as empresas brasileiras ainda não conseguem produzir.

Para o economista-chefe do banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves, o nível de investimentos na economia tende a crescer nos próximos trimestres.
Ele deve correr atrás, principalmente, do consumo. "O nível de investimentos veio abaixo do previsto, mas deve aumentar", diz.

"O empresário é um bicho esperto. Ao ver o consumo aumentar, vai voltar a investir", afirma o economista Amir Khair.

No segundo trimestre, o consumo das famílias brasileiras registrou a 27ª expansão seguida ante igual período do ano anterior, com aumento de 6,7%.

Segundo Sérgio Mendonça, do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), o mercado de trabalho vem dando contribuição acima do esperado no crescimento da economia.

"Incluindo as contratações do setor público, podemos ter cerca de 2,5 milhões de empregos formais em 2010, com forte impacto no rendimento e nas renegociações [para cima] salariais", diz Mendonça.

É o aumento do consumo, segundo os economistas, que deve despertar o "espírito animal" dos empresários para investir atrás de lucros maiores.

Por causa do aumento do consumo, o investimento cresceu a reboque, registrando a alta histórica de 26,5%.

O número expressivo se explica tanto pela queda dos juros como pelo incremento da produção interna e da importação de máquinas e equipamentos no período.

Agronegócio

a) Cafeicultor terá crédito para mercado futuro

O governo federal criou uma linha de crédito de R$ 50 milhões destinada ao financiamento de margens de garantia e de ajustes diários em operações de vendas futuras, realizadas por bolsas de mercadorias e de futuros. A norma editada pelo Banco Central foi publicada na sexta-feira e beneficia produtores e cooperativas que negociam café. O financiamento funcionará como um mecanismo de proteção de preços negociados em bolsas de mercadorias por produtores e cooperativas. A linha de crédito foi aprovada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) na última quarta-feira.

A margem de garantia é o valor exigido de todos os clientes para cobrir os riscos dos contratos em aberto. Os ajustes diários são decorrentes das oscilações de preços do produto negociado, com base em expectativas de oferta e demanda desse mercado. Pela Resolução 3898, do Banco Central, os recursos também poderão ser utilizados para a aquisição de prêmios de contratos de opções de venda.

Opção é uma modalidade de contrato futuro em que se negocia determinada commodity por um preço pré-fixado. A nova linha de crédito será custeada com recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé), do Ministério da Agricultura (Mapa). "Com esse financiamento, queremos facilitar o acesso dos cafeicultores e das cooperativas agrícolas aos mecanismos de proteção de preços de café negociados no mercado", explica Robério Silva, diretor do Departamento de Café.

Conforme a norma, cada produtor pode contratar crédito de até R$ 80 mil, a juros de 6,75% ao ano. O limite por cooperativa foi fixado em R$ 40 mil desde que tenha depositado o café na instituição. O prazo de reembolso é coincidente com o de liquidação.


b)Valorização do trigo faz preços dos alimentos subirem 5%, diz a FAO

O aumento no preço do trigo provocou uma elevação de 5% no preço internacional dos alimentos em agosto ante julho, de acordo com dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês). Foi o maior avanço em termos de comparação mensal nos últimos 10 meses.

Diante disso, o índice de preços dos alimentos da FAO - que monitora a oscilação nos preços de 55 commodities em todo o mundo - subiu quase nove pontos em agosto ante julho, para 176 pontos, nível mais alto desde setembro de 2008, mas 38% inferior ao pico atingido em junho do mesmo ano.

O aumento no preço dos alimentos reflete o avanço acentuado nos preços mundiais dos grãos após um período de seca na região do Mar Negro, que diminuiu a produção local. Os preços do trigo atingiram o maior patamar em dois anos no início do mês de agosto após a Rússia - terceiro maior exportador mundial - suspender as exportações do cereal até o fim deste ano.

A FAO destacou, no entanto, que os preços dificilmente chegarão ao nível registrado em 2007/2008, quando ficaram tão altos que provocaram protestos. "Mesmo neste nível baixo, a produção mundial de cereais em 2010 deve ser a terceira maior já registrada e deve superar a média dos últimos cinco anos", indicou órgão em um comunicado.

A produção mundial de trigo deve cair 5% em termos de comparação anual, para 646 milhões de toneladas, devido principalmente à queda na produção da Rússia, de acordo com a FAO. As informações são da Dow Jones.


Prova de que a valorização do trigo já impacta nos preços dos alimentos pode ser encontrada no nordeste do Brasil. Regiões como Alagoas já pagam 10% a mais para ter o pão quente à mesa. Na prática, o consumidor passou a pagar entre R$ 6,50 a R$ 8 por cada quilo do pão. Antes, o preço praticado pelas padarias era de R$ 5 a R$ 6,50, o quilo. A causa do reajuste no preço é o aumento no valor da farinha de trigo, principal insumo para a fabricação do alimento

c) Próxima safra de arroz no Brasil deverá ser 13% maior

Os rizicultores brasileiros apostam na recuperação do setor e ampliam a área de cultivo de arroz para a temporada 2010/2011. A produção nacional, de acordo com levantamento da Safras & Mercado, deve avançar 13%. No Rio Grande do Sul, maior estado produtor, é estimado um aumento de 22% no volume produzido e 10% no número de hectares. O clima atual e a água disponível no estado são as molas propulsoras para a elevação. "É uma tendência de recuperação em relação às perdas devido ao clima em 2009", afirma Élcio Bento, analista de mercado da Safras.

Dados da Safras apontam ainda uma produção no Brasil de 13,07 milhões de toneladas de arroz - só os gaúchos devem responder por 8,4 milhões de toneladas. Em 2009, o Rio Grande do Sul colheu 6,88 milhões de toneladas de arroz, queda de 13% ante a temporada 2008/2009.

Segundo o analista, 2010 mesmo sendo o ano de La Niña, apresenta melhores condições para o cultivo do grão. Tanto que a incerteza quanto ao fenômeno climático fez com que o agricultor gaúcho antecipasse o plantio. "Em 2009, o custo de produção aumentou por causa da necessidade de mais uso de defensivos."

Para Maurício Fischer, presidente do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), o cultivo no estado começou agora para evitar irrigação, o que aumenta o custo ao agricultor. "No ano passado, o produtor teve muitos prejuízos."
Para Francisco Schardong, presidente da comissão do arroz e primeiro diretor administrativo da Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul), se o rizicultor não estivesse tão endividado, talvez deixasse a cultura. "Hoje, 60% da lavoura são arrendados. O agricultor não tem alternativa", afirma, lembrando que na área com água no estado a única opção é cultivar arroz. "A água acaba por ser o regulador da intenção de plantio", completa.

Segundo Schardong, além dos reservatórios que já estão cheios, o governo federal estaria finalizando a construção de mais duas barragens no estado. O que proporcionaria um aumento de 30 mil hectares para a cultura.

No entanto, as cotações do cereal no mercado interno não estão atrativas ao rizicultor. O mês de agosto encerrou com queda de 2,28% nos preços. A diminuição teria ocorrido pela baixa demanda por parte da indústria. O indicador do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) encerrou dezembro com preço médio de R$ 26,82 para a saca de 50 quilos na indústria. De 23 a 30 de agosto, a queda chegou a ser de 1,54%. No dia 31 do mês passado, a saca de arroz estava cotada a US$ 15,29.

De acordo com Bento, neste ano comercial, os valores do arroz deveriam estar altos, devido ao abastecimento apertado em todo o Mercosul. "Mas por enquanto os preços no mercado externo estão baixos, e se o preço subir aqui, a indústria vai buscar arroz lá fora", afirma o analista de Safras & Mercado.

Bento lembra ainda que, por outro lado, se as cotações externas do arroz não subirem, no Brasil, poderá ocorrer concentração do grão, achatando ainda mais os preços do produto.

Segundo Fischer, para que o País consiga escoar parte da produção no mercado externo seria necessário apoio do governo federal no que se refere a tarifações. "Não somos competitivos. O governo deveria desonerar o arroz do Brasil", afirma. Tanto que um engenho no Mato Grosso, de acordo com Bento, adquiriu recentemente o cereal do Paraguai, mesmo com a logística desfavorável.

O setor, que no Rio Grande do Sul, possui uma meta de embarcar pelo menos 10% da produção, quase atingiu esse percentual em 2009. Porém, para o analista, com a sobrevalorização do real, as metas de embarques não devem se realizar este ano, já que os preços no mercado internacional estão atrativos. (conforme o gráfico).

Estudo da Safras mostra que cerca de 80% do arroz embarcado é destinado à África. "E quase todo o volume parte do Rio Grande do Sul", explica. De acordo com Schardong, o Brasil exporta arroz para cinco continentes em 51 países. "Estamos nos esforçando para buscar mais mercado e bater nossa meta", finaliza Fischer.

d)Rússia amplia veto à exportação de grãos até a colheita de 2011

A Rússia não vai exportar grãos pelo menos até setembro de 2011. O primeiro-ministro do país, Vladimir Putin estendeu a proibição das vendas externas para até o final da colheita da safra 2010/2011 por causa da quebra da produção local causada pela pior seca a atingir o país em décadas. "Poderemos dar fim à suspensão depois que a colheita do ano que vem estiver terminada e tivermos um cenário mais claro da oferta de grãos", afirmou.

Inicialmente, a suspensão iria até 31 de dezembro deste ano. Putin disse que a decisão foi tomada para dar previsibilidade ao mercado e impedir nervosismos desnecessários entre os produtores e vendedores de grãos russos, que estariam estocando o produto para vender depois do dia 31 de dezembro. "Nossos produtores e vendedores devem trabalhar com calma e devem voltar-se para o mercado interno", disse ele.

O anúncio chocou alguns analistas locais, que inicialmente acreditaram haver um engano nas declarações do primeiro-ministro. "Não compreendo em absoluto. Estou completamente confuso", disse Konstantin Mesyatsev, especialista em grãos. "Deve haver algum tipo de mal-entendido. Não existe razão para anunciar uma proibição por 15 meses", disse. Outros não ficaram tão abalados. "Isso não é surpresa. Era óbvio para muitos de nós que a proibição até 31 de dezembro era muito curta", disse um executivo de uma importante exportadora de grãos da Rússia.

A Rússia deverá colher entre 60 milhões e 65 milhões de toneladas de grãos na safra 2009/2010, ante estimativa inicial de 97 milhões de toneladas. Além de ter quebrado a safra atual, a seca tem prejudicado o plantio de 2010/2011.

Uma nova onda de incêndios florestais matou uma pessoa e destruiu pelo menos 60 edificações ontem, quando fortes ventos atiçaram as chamas na região russa de Volgogrado, afetada pela pior seca de que se tem registro, informou uma autoridade. Os incêndios destruíram em agosto milhares de casas e causaram a morte de pelo menos 54 pessoas na região agrícola da Rússia, depois que a pior onda de calor já registrada no país danificou lavouras em uma área do tamanho de Portugal.

Pelo menos 60 edificações, incluindo muitas residências, foram destruídas pelo fogo em áreas separadas da região de Volgogrado, informou Yelena Rodionova, porta-voz do Ministério das Emergências. Os ventos seguiam à velocidade de até 25 metros por segundo, em temperaturas de 40 graus.


A Rússia não vai exportar grãos pelo menos até setembro de 2011. O primeiro-ministro do país, Vladimir Putin, estendeu a proibição para até o final da colheita 2010/2011.

e) O açúcar será o "ouro branco" das exportações neste ano

O rombo das contas externas do Brasil já está próximo de US$ 30 bilhões em 2010.
Estamos levando um tombo, entre outros fatores, pelo aumento das importações.

Somente no primeiro semestre o saldo comercial foi 45% menor do que o do mesmo período de 2009 -o pior dos últimos oito anos.

Precisamos reverter esse quadro. Ajudaria na busca de maior equilíbrio se conseguíssemos produzir e exportar mais e, assim, trazer mais dólares, ajudando na geração de renda e na consequente distribuição da mesma.

O açúcar representará em 2010 o "ouro branco". A exportação deve chegar a 25 milhões de toneladas, ante 17 milhões em 2009. Quando este sábado terminar, teremos vendido US$ 50 milhões em açúcar ao exterior.

É provável que a contribuição somente do açúcar no saldo comercial chegue a US$ 10 bilhões. O Brasil ocupará quase 55% do mercado mundial. Porém, não são somente boas as notícias, pois poderíamos melhorar.

O leitor que lê esta análise provavelmente não sabe que existem aproximadamente cem navios na fila para carregar açúcar em Santos.

Cada navio na fila, por dia, representa custo de US$ 25 mil a US$ 90 mil a ser pago pelo exportador, ou seja, por todos nós. Caminhões também estão parados há dias em fila, e lamentavelmente representam ainda 85% do transporte do açúcar.

O açúcar tem mercado promissor, principalmente para uso industrial (sorvetes, sucos, doces, chocolates) em países de renda crescente e onde seu consumo per capita ainda é baixo.

O dragão chinês começou a comprar fortemente do Brasil (neste ano já foram 600 mil toneladas).
Os principais concorrentes não conseguem competir com nossos custos e nossa qualidade, mesmo com esses problemas de plataforma logística.

Os preços externos devem melhorar (apesar da incógnita da safra e da produtividade da Índia), devido ao consumo de açúcar e das vendas de carros flex (já são 11,2 milhões, 37% da frota), consumindo a cana via etanol.

Fora isso, a atual seca trará prejuízos na safra atual de cana (10%, ou até mais, a depender das chuvas) e na próxima, contribuindo para aumentar os preços. O açúcar deve continuar forte pilar de geração de renda e sustentação da balança comercial.

Para concluir, um recado aos candidatos e aos governos (federal, estaduais, Ibama, Ministério Público, entre outros agentes). No momento em que ideias são mostradas na TV, todos falam em distribuição de renda.

Para a agenda 2011/14, a pergunta que fica é: como ajudar esses setores a conseguir menores custos, menos entraves, menos filas, menos burocracia, para que possam cumprir seu papel privado de gerar produtos competitivos, exportações e renda?

Muitos esquecem que, sem geração de renda, não existe distribuição sustentável de renda. Neste ano, o açúcar dará grande contribuição para a geração de renda. Nosso muito obrigado

Mercosul

a) Mercosul deve se fortalecer para competir, diz Amorim

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse na sexta-feira que a América do Sul precisa ter um bloco econômico forte para enfrentar o mercado global. Durante comemoração dos 50 anos da Associação Latino-americana de Integração (Aladi), no Rio de Janeiro, o chanceler disse que um grande bloco sul-americano será importante para dar mais força ao Brasil no cenário internacional.

"Nessa economia de grandes blocos do mundo, União Europeia, Estados Unidos, China e Índia, que são blocos em si mesmo, o Brasil tem força, mas terá mais força se estiver unido aos países da região", disse Amorim.
De acordo com o ministro, não será possível, em médio prazo, ter um bloco que inclua toda a América do Sul. Mas, enquanto isso, o Brasil precisa trabalhar para firmar e aprofundar o Mercosul, bloco que reúne também Argentina, Uruguai e Paraguai, além da Venezuela, que está em processo de adesão.

Amorim disse que, além de formar um bloco com seus vizinhos, o Brasil precisa ajudá-los a se desenvolverem, não só para criar um ambiente pacífico na região, como também para criar mercados para os produtos e serviços brasileiros.

"Quando você faz um empréstimo para construir uma estrada na Bolívia ou no Paraguai, você enfrenta resistências. Pergunta-se por que estamos fazendo na Bolívia e não no Nordeste. Porque aquilo nos interessa. Desenvolver o mercado sul-americano é de grande interesse para o Brasil. É importante porque eles são mercados para a indústria brasileira. Eles geram emprego no Brasil".

Amorim também disse que é importante resolver a questão do superávit brasileiro nas negociações comerciais com seus vizinhos. De acordo com o chanceler, o Brasil tem um superávit "brutal" nas relações com todos os vizinhos, com exceção da Bolívia. "Temos que descobrir como eles podem vender para nós, porque não há relação que seja estável com um desequilíbrio permanente desse tipo", disse.

Durante discurso no Rio de Janeiro, Amorim também disse que o Brasil teve, nos últimos anos, uma política externa "ousada", citando a aproximação do país com nações como a Líbia, a Síria e o Irã. "Fizemos coisas que as pessoas não estavam acostumadas a ver o Brasil fazer", afirmou o ministro.

Segundo Amorim, o Brasil é um país grande, que deve atuar "com independência, sem medo e sem ter de pedir licença para cada ação". "Podemos discutir e consultar, como se faz na política interna, como se faz na vida, mas sem submissão", finalizou o chanceler.

b) Fonte afirma que JBS quer vender unidades argentinas

O grupo pecuário brasileiro JBS, maior processador global de carne bovina, pode vender três frigoríficos que possui na Argentina, disse neste sábado uma fonte do setor, em um momento no qual o setor passa por dificuldades pela escassez de animais.

A fonte, que preferiu não se identificar, afirmou que o anúncio foi realizado pelo secretário de Comércio Interior argentino, Guillermo Moreno, durante reunião com diretores e representantes dos principais frigoríficos do país.

Um porta-voz do grupo JBS, não quis comentar o assunto.

Atualmente, as instalações que poderiam ser vendidas, situadas em Pontevedra, Berazategui e San José, estão trabalhando de forma parcial, diante da redução dos rebanhos bovinos, que provocou uma alta no preço do produto e fez o governo limitar as vendas ao exterior. Diversos frigoríficos atravessam dificuldades pela queda nas atividades, e o governo se viu obrigado a conceder subsídios a muitos trabalhadores suspensos.

Os produtores acusam as intervenções oficiais pela queda do rebanho.

Outra notícia vinculada ao JBS é de que a Rússia suspendeu as importações de carne da fábrica de Nebraska (EUA), em decorrência de um "problema patogênico", segundo um porta-voz da companhia. A suspensão, que valerá a partir de 8 de setembro, foi anunciada pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. A Rússia deve comprar uma quantidade recorde de carne dos EUA este ano em função do menor fornecimento por parte da Austrália e da América do Sul, segundo fontes da indústria.

Informações divulgadas dão conta de que o grupo está tendo dificuldades com proibição de venda de gado para o exterior.

c)Crise na pecuária argentina ajuda o brasil a exportar, mas carne subirá

A séria crise vivida pela Argentina no setor pecuário afeta o Brasil. De um lado, é bom para a consolidação do produto brasileiro no mercado externo -a Argentina, tradicional exportadora de carne de qualidade, pode deixar parte desse mercado para os brasileiros.

Ao entrar em mercados antes ocupados pela Argentina, o Brasil tem chance de mostrar o avanço da qualidade do produto nacional e receber mais por ele, o que já vem ocorrendo.

Uma participação maior do Brasil no mercado externo traz a chance de o país vender cortes diferenciados e com maior remuneração.

Essa melhora no valor da carne deveria, em tese, se converter também em remuneração para o pecuarista.
Isso está ocorrendo. Demanda interna aquecida e retorno das exportações, em um período de poucos animais para abate, elevaram os preços internos da arroba para R$ 92, ontem, no Estado de São Paulo, preço 15% maior do que o de há um ano.

De outro lado, o consumidor pode esperar, aos poucos, aumento real no preço da carne. À exceção do Brasil, que saiu de uma crise após a ocorrência da aftosa em 2005, os demais grandes produtores -Austrália, Argentina e EUA- têm sérios problemas na produção.

Esses problemas passam por limitação de áreas, como na Argentina, mudanças climáticas, na Austrália, e elevação de custos, nos EUA.

A situação no Brasil, no entanto, não é tão tranquila. A política de incentivos do governo a grandes instituições está deixando para trás uma série de pequenos frigoríficos de portas fechadas.
Em Mato Grosso, que tem o maior rebanho nacional, 13 dos 39 frigoríficos estão parados. A redução de unidades compradoras pode diminuir o poder de negociação dos pecuaristas.
Os números recentes da Argentina indicam a situação delicada do país. Líder em exportações de carnes durante décadas, os argentinos iniciaram os anos 2000 com redução nas vendas externas, mas vinham se recuperando.

As exportações de carnes frescas, que somaram 406 mil toneladas em 2005, recuaram para 212 mil em 2008, mas atingiram 361 mil em 2009. Nos sete primeiros meses deste ano, o volume está em apenas 87 mil.


Como carne na Argentina é sempre motivo de reunião ministerial, o país já estaria importando volume acima do normal do Uruguai.   

d) Índia pretende ampliar acordo comercial com o Mercosul

Os países que compõem o Mercosul - Argentina, Uruguai, Paraguai e Brasil - estudam juntamente com a Índia ampliar o número de produtos que estão inseridos no Acordo de Preferências Tarifárias (APTF) que foi negociado em 2005 e firmado somente em 2009. A afirmação é do ministro da Indústria e Comércio da Índia, Jyotiraditya Scindia.

"Uma nova lista de produtos que podem ser comercializados sob um regime preferencial de tributação deve começar a ser discutida em novembro. Atualmente, o acordo beneficia a importação e exportação de 452 produtos com redução ou isenção tarifária. A intenção é aumentar as categorias de produtos com tributação especial gradativamente", relatou o ministro indiano durante evento na Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp).

Para o presidente da Câmara de Comércio Brasil-Índia e diretor do Departamento de Relações Comerciais e Comércio Exterior (Derex) da Fiesp, Roberto Paranhos do Rio Branco a extensão do benefício tarifário irá elevar a competitividade dos produtos comercializados e ampliar as relações multilaterais. "A Índia teve um problema com o açúcar e zerou a alíquota de importações para conseguir equilibrar suas necessidades. É assim que vamos acrescentando produtos na lista preferencial e elevando as relações comerciais. Já existem outros itens em estudo, mas não se sabe ao certo quantos serão, mas os setores mais possíveis são de autopeças, agrícola e automotivo", frisa o presidente.

"Alguns produtos, basicamente do setor agrícola, que ficaram de fora das negociações, como o açúcar, poderão entrar na nova lista. Em contrapartida, o Brasil também deverá abrir mais seu mercado aos indianos", aponta Roberto Giannetti, também diretor do Derex.

"Queremos aprofundar o acordo com o Mercosul. Equipes de ambos os lados têm se encontrado e nós nos comprometemos a elaborar uma lista de novos produtos que queremos que sejam incluídos no acordo em novembro deste ano", afirmou Scindia.

Outra notícia é de que o ministro da Agricultura da Índia, Shri Sharad Pawar, virá ao Brasil na próxima semana com uma delegação de 15 empresários para anunciar investimentos privados e conhecer mais de perto o funcionamento do setor sucroalcooleiro do País. A Índia é o segundo maior produtor mundial de açúcar, atrás apenas do Brasil.

O grupo indiano Shree Renuka Sugars que arrematou, em fevereiro, 50,8% da usina de açúcar e álcool Equipav e assumiu parte da dívida de R$ 1,5 bilhão deve anunciar durante esta visita a expansão da empresa no País e a mudança de nome da usina.

Para o ministro, a ampliação do acordo será estratégica para aumentar as relações comerciais entre os países envolvidos. Estimativas citadas pelo por Scindia apontam que o comércio entre o Mercosul e a Índia deve alcançar a marca dos US$ 10 bilhões em 2010, US$ 17 bilhões (R$ 29,5 bilhões) em 2012 e US$ 30 bilhões (R$ 52 bilhões) em 2030.

"Não será possível atingir a meta de 2010, que alcança os US$ 6 bilhões hoje, porém a projeção é baixa comparada ao potencial que podem atingir as relações comerciais. O valor para 2012 é possível, uma vez que os setores como autopeças, têxtil e de minérios estão crescendo", argumentou Paranhos.
Scindia não afirmou, mas deu sinais de que as novas conversas, marcadas para o mês de novembro, serão tendenciosas a um acordo de livre-comércio.

"Nós estamos muito interessados em um acordo de livre-comércio Mercosul-Índia", afirmou. "O Brasil precisa de investimentos em várias áreas e pode também colaborar com a Índia, principalmente, no suprimento de comida e energia", disse.

Segundo Giannetti, o livre-comércio seria benéfico também para o Brasil, individualmente.

"Após a crise financeira internacional, o fluxo comercial mais competitivo ficou concentrado nos países em desenvolvimento", pontuou Scindia.

Outro tema que gera conflito e que será debatido entre o ministro do Desenvolvimento, Miguel Jorge e o ministro da Índia, Jyotiraditya Scindia, é a redução das taxas de importação para frango inteiro e cortes de frango. O pedido foi feito pela Ubabef (entidade do setor), que diz que o frango brasileiro não concorre com o indiano. Apenas 1% do consumo de frango na Índia é congelado.

"No encontro anterior, a Índia baixou de 100% para 60% o imposto do frango e partes congelados, o que demonstra uma melhora nas negociações, porém ainda é necessário baixar a alíquota, pois é muito elevado o valor para permitir a entrada dos produtos brasileiros", conclui Roberto Paranhos.

e) Governo quer favorecer produtos argentinos no setor

A indústria naval e o governo articulam para que a exigência de conteúdo nacional nas compras do país na área de petróleo e gás seja flexibilizada em favor de produtos e serviços argentinos, no âmbito do Mercosul.

A expectativa do governo, da estatal e da indústria brasileira é que a parceria entre os países possa amenizar a dificuldade dos fabricantes nacionais de atender a curto prazo a demanda na área.

"O que está em discussão é aprimorar o conceito de conteúdo nacional, para que possa incorporar uma parte de conteúdo regional", afirma Reginaldo Braga Arcuri, presidente da ABDI (agência de desenvolvimento industrial), ligada ao Ministério do Desenvolvimento.

Embora o alcance da mudança seja limitado, a Petrobras seria beneficiada com a nova regra, uma vez que a indústria argentina, assim como a brasileira, tem gargalos e deficiências tecnológicas.
Fonte ligada à empresa disse à Folha que, em alguns casos, é mais barato revitalizar o segmento da indústria argentina que tem potencial para fornecer ao setor do que apostar na produção nacional de certos equipamentos.

O presidente da ABDI diz que a indústria uruguaia também tem capacidade para fornecer para o Brasil, embora em menor escala.

Arcuri afirma que a intenção é que a flexibilização no entendimento do que é conteúdo nacional possa ser concluída até dezembro.

De acordo com o Sinaval, que representa os estaleiros brasileiros, a Argentina pode contribuir, principalmente, para os serviços de reparos e para a construção de cascos.

ABDI e Sinaval ressaltam que é desejável que a Argentina forneça esses itens em parceria com empresas brasileiras, em joint ventures.

O Sinaval diz ainda que a parceria no Mercosul é um caminho para conter o avanço dos asiáticos, principalmente da China e da Coreia.


Para que a revitalização da indústria no Mercosul possa ser feita, os possíveis fornecedores do bloco receberão US$ 4 milhões do Focem (Fundo para a Convergência Estrutural do Mercosul).
O Focem foi criado em 2005 para financiar o desenvolvimento dos membros do bloco e reduzir a assimetria entre eles. O Brasil responde por cerca de 70% dos recursos destinados ao fundo.
Rubens Barbosa, ex-embaixador em Washington, diz que a integração das cadeias produtivas seria positiva para o Mercosul, mas é cético em relação à efetividade do acordo. Para ele, argentinos e brasileiros, mesmo articulados, teriam dificuldades de competir em uma indústria tão sofisticada quanto a do petróleo.

OMC

a) Brasil e Argentina se unem por mercados

Convencidos de que Estados Unidos e União Europeia continuarão ditando as regras nas negociações internacionais, com o fracasso da Rodada de Doha, de abertura comercial, na Organização Mundial do Comércio (OMC), Brasil e Argentina decidiram unir forças na disputa por novos mercados. Em uma iniciativa inédita, será assinado hoje, em Buenos Aires, um memorando de entendimento entre os dois países formalizando essa atuação conjunta. As barreiras às importações de carnes bovina, suína e de frango in natura são o principal elo entre brasileiros e argentinos e a primeira frente de batalha.

Para se ter uma ideia do tamanho das dificuldades enfrentadas pelos exportadores brasileiros, o Brasil fica de fora de um mercado de US$ 19,1 bilhões por ano, valor equivalente ao que compraram, em 2008, os principais importadores de carnes do planeta e que têm as portas total ou parcialmente fechadas aos brasileiros.

Japão, EUA, Rússia, México, Coreia do Sul, Canadá e China são alguns exemplos.

Para entrar na OMC, Rússia poderá fazer concessões Por outro lado, o Brasil, tido como um dos maiores exportadores de carnes do mundo, vendeu US$ 11 bilhões em 2008, ano menos afetado pela crise financeira internacional do que 2009 e cuja conjuntura é mais parecida com a atual.

Segundo explicou o secretário de Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Célio Porto, o Brasil já negocia com Japão, Coreia, EUA e China a abertura desses mercados até o fim deste ano. No entanto, pode se fortalecer com a Argentina para convencer os russos a aumentarem sua cota de importação de carnes em geral. A Rússia quer entrar na OMC e terá de fazer concessões aos associados ao organismo.

— É claro que os EUA terão preferência na venda de frango e os europeus na de suínos.

Temos de brigar por uma cota maior — disse Porto.

O ato será formalizado durante o lançamento do plano estratégico, agroalimentar e agroindustrial argentino pela presidente Cristina Kirchner.

Assinarão o documento o ministro da Agricultura do país vizinho, Julián Domínguez, e o secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Gerardo Fontelles.

Associação de exportadores de suínos critica iniciativa Na avaliação do diretor-executivo do Conselho Empresarial da América Latina, Alberto Pfeifer, a medida consiste no desdobramento do processo de integração. Além da cooperação e do intercâmbio de informações e tecnologias, Brasil e Argentina poderão chegar a um ponto, com o memorando de entendimento, de realizar ações coordenadas em produção e distribuição de alimentos, incluindo a condução das negociações com os compradores e os aspectos tarifários e não tarifários.
— Isso já deveria ter sido feito antes. Deve ter um desdobramento virtuoso e esperamos que, no futuro, os dois países atuem em conjunto para vender a safra agrícola, especialmente a soja, de maneira integrada — disse Pfeifer.

O presidente da Associação Brasileira dos Exportadores de Carne Suína, Pedro Camargo, considera “inconsistente e incoerente” a medida.


— A Argentina, ao aplicar impostos nas vendas de produtos agropecuários, trabalha contra a exportação. Nossa macroeconomia é diferente da deles — afirmou Camargo.

b) Comércio global cresceu 25% no 1º semestre, diz OMC

O valor do comércio global de bens cresceu sensivelmente nos primeiros seis meses de 2010, dando prosseguimento à tendência de forte aumento registrado no primeiro trimestre do ano. A conclusão é da Organização Mundial de Comércio (OMC). De acordo com a entidade, o fluxo comercial medido em dólares subiu 25% entre os meses de janeiro e junho deste ano em relação ao primeiro semestre do ano passado.

Em junho, a Organização Mundial de Comércio informou que o valor do fluxo de comércio global no primeiro trimestre também aumentou os mesmos 25% sobre igual período de 2009.

As exportações mundiais de bens cresceram cerca de 7% no segundo trimestre na comparação com o primeiro trimestre deste ano. Entre os meses de janeiro e março de 2010, as exportações haviam caído 3% em relação aos últimos três meses de 2009, ainda de acordo com dados compiladas pela entidade.

A OMC informou que o crescimento das exportações foi particularmente forte na China (23%) e no Brasil (27%) no período de abril a junho sobre o trimestre anterior. Na mesma base de comparação, as exportações dos Estados Unidos cresceram 6%.

A Organização Mundial de Comércio informou ainda em seu levantamento divulgado ontem que as importações mundiais no segundo trimestre cresceram 6% em relação ao primeiro trimestre deste ano. As importações da China no período cresceram 15%, enquanto as do Brasil aumentaram 12%.

O valor do comércio global de bens cresceu 25% no primeiro semestre. A Organização Mundial do Comércio (OMC) informou que o crescimento das exportações foi forte na China (23%) e no Brasil (27%).

Plano Internacional

c) Entre 18 países que já divulgaram PIB no trimestre, Brasil fica em 6° lugar

O Brasil aparece em sexto lugar num ranking de 18 países que já divulgaram o resultado do PIB no segundo trimestre deste ano. A lista é liderada pelo Chile (alta de 4,3%, na comparação com o primeiro trimestre), variação atribuída pelos analistas aos esforços de reconstrução do país depois do terremoto no começo do ano. Também à frente do Brasil vêm México (3,2%), Finlândia (3,1%), Alemanha (2,2%) e Coreia do Sul (1,5%).

Entre os Brics — grupo de economias emergentes formado por Brasil, Rússia, Índia e China —, somente o Brasil divulgou o seu resultado com ajuste sazonal.

Nesse caso, só é possível comparar o segundo trimestre deste ano com o mesmo período de 2009. A China vem em primeiro, com variação de 10,3%, seguida por Brasil (8,9%), Índia (8,8%) e Rússia (5,2%).

O Brasil ainda deve fechar 2010 como a oitava maior economia do mundo, mas a diferença que o separa de França (5° maior), Reino Unido (6°) e Itália (7°) deve diminuir substancialmente, segundo levantamento da Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica (Sobeet), com dados do Fundo Monetário Internacional (FMI). O PIB estimado para o Brasil é de US$ 1,910 trilhão em 2010 (contra US$ 1,574 trilhão em 2009), logo atrás da Itália (US$ 2,121 trilhões).

Para 2011, a estimativa é de US$ 2,035 trilhões para o Brasil e de US$ 2,159 trilhões para a Itália. Ainda por essa comparação, a diferença que separa o país da França cai de US$ 1,101 trilhão, em 2009, para US$ 688,4 bilhões em 2011.

— Além da valorização do real em relação ao dólar, o Brasil apresenta crescimento real da economia — disse Luís Afonso Lima, presidente da Sobeet.

Bernardo Wjuniski, da Tendências Consultoria, disse que o Brasil pode se tornar um país desenvolvido se o PIB continuar crescendo nessa proporção: — O Brasil cresce mais rápido, e a diferença de PIB tende a diminuir em relação a outros países. Se o país conseguir crescer mais que os outros por vários trimestres, sem dúvida nenhuma avançará rapidamente no ranking.

Analistas veem alta de juros e falha na infraestrutura Para Wjuniski, no entanto, a desaceleração abaixo do previsto da economia brasileira no segundo trimestre deste ano poderá levar o Banco Central (BC) a subir novamente a taxa básica de juros no ano que vem.

Ele disse que o ideal é crescer com a inflação equilibrada.

— O PIB forte corrobora a ideia de que a atividade econômica está aquecida. A indústria desacelerou menos do que se esperava, do ponto de vista da atividade, e isso é bom, já que houve crescimento mesmo com o fim dos incentivos fiscais. Mas há preocupação com a inflação, e isso deve levar o BC a um novo ciclo de alta de juros a partir de março de 2011 — disse Wjuniski.

Roberto Padovani, estrategista de investimentos do banco WestLB, disse que a economia brasileira cresce mais do que pode, já que o país não possui infraestrutura adequada para suprir as necessidades da indústria.

Para ele, há ainda falta de coordenação política no governo para sustentar o crescimento.

Segundo Padovani, enquanto o BC tenta conter o crescimento da economia, subindo a taxa de juro, por exemplo, o Ministério da Fazenda empurra a economia para cima: — A prova disso é o crescimento do gasto público, que foi destaque no PIB.

©2017 rbarbosaconsult.com.br – Todos os direitos reservados. Av. Brig Faria Lima, 2413 Sobreloja Conj. B - São Paulo - SP | Fone: (5511) 3039 6330